Avaliação internacional de políticas públicas para eletromobilidade em frotas urbanas

Published: 2019.01.03
By

Peter Slowik, Carmen Araujo, Tim Dallmann, Cristiano Façanha

Link to English version

Em uma colaboração entre a Deutsche Gesellschaft für International Zusammenarbeit (GIZ) e o International Council on Clean Transportation (ICCT), esse estudo examina as experiências internacionais em políticas públicas para eletromobilidade em frotas urbanas e avalia como elas podem ser implementadas no Brasil.

A eletrificação do transporte é considerada uma medida fundamental para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEEs) e mitigar as mudanças climáticas. Muitos ambientes urbanos também estão enfrentando uma grave poluição do ar e as ameaças à saúde pública resultantes, por isso as cidades estão cada vez mais avaliando e implementando políticas sólidas para estimular a adoção de veículos elétricos (VEs). Os governos também estão interessados nos benefícios econômicos advindos do desenvolvimento local e da fabricação de tecnologias emergentes, como os VEs e sua infraestrutura de apoio. As pesquisas mostram que os países que adotam normas ambientais rigorosas e uma estratégia coordenada de eletromobilidade garantem a vantagem da adoção inicial para suas empresas, levando à competitividade industrial nos mercados internacionais.

Pesquisas sobre as experiências internacionais também mostram que a ação governamental – regulamentação de veículos e combustíveis, incentivos ao consumidor, programas de infraestrutura de recarga, planejamento, e políticas e iniciativas locais – ajudam a superar barreiras relacionadas à disponibilidade de modelos, a custos iniciais mais altos, à autonomia elétrica e à ansiedade da autonomia, além de uma falta geral de conscientização sobre os benefícios dos VEs. O Brasil ainda não adotou as políticas robustas de promoção de VEs que estão sendo implementadas nos maiores mercados elétricos. O Brasil precisa articular claramente suas motivações para a eletromobilidade de maneira que elas sejam traduzidas em políticas públicas e implementadas como ações e programas que se complementam.

Uma das considerações mais importantes ao avaliar o potencial de transição para motores elétricos é o custo dessas tecnologias alternativas em relação aos motores de combustão convencionais. Neste estudo, comparou-se o custo total de propriedade das tecnologias de motores elétricos e a combustão convencional, utilizando como caso a frota municipal de São Paulo, para explorar os custos das transições para ônibus elétricos no Brasil. Além dos custos mais baixos, a transição para os ônibus elétricos em São Paulo resultaria em uma redução significativa das emissões de GEEs e de carbono negro.

Enquanto a mídia internacional se concentra na eletrificação de veículos de passageiro, um foco mais apropriado para o Brasil no curto prazo são os ônibus urbanos. Tal foco combinaria os benefícios da eletrificação com investimentos na mobilidade urbana e a promoção do transporte público sobre a motorização individual.

Este estudo foi desenvolvido como parte do PROMOB-e, um projeto de cooperação técnica executado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) em parceria com o Ministério Alemão de Cooperação Econômica e para Desenvolvimento por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH.